A DEGRADAÇÃO DA SEGURANÇA DE VOO PELAS NORMAS DA ANAC – PARTE 2

ABRAVAGEX denuncia a ANAC no Congresso Nacional, Ministério Público Federal e outros foros decisórios, pela degradação da segurança de voo.

Degradação da Segurança de Voo

A investigação oficial completa do acidente fatal que vitimou o jovem piloto Vitor Augusto Gunha da Costa, aos 19 anos, realizada pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, do Ministério da Defesa – CENIPA, Comando da Aeronáutica e o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial – DCTA e mesmo sendo inaugural em profundidade, bastou para revelar a absurda ausência de regras (Anomia) e normas (Atecnia) que permeia a aviação leve não certificada no Brasil.


A ausência até então era zelosamente oculta à sociedade e aos olhos da Justiça por interesses econômicos privados industriais e corporativos, sob o pleno conhecimento e consentimento da ANAC.

Dados levantados nesta investigação e pesquisas posteriores, especialmente no Relatório Final do acidente que matou o Sr. Roger Agnelli, Ex-Presidente da Vale do Rio Doce e mais seis pessoas em 19/03/2016 na cidade de São Paulo, mostram que tanto as causas quanto os fatores contribuintes diretos e indiretos da alarmante taxa de acidentes aéreos, e da igualmente alta e crescente mortandade publicadas pelo Painel Sipaer do CENIPA, estão há anos ligados à regulação desta atividade aerodesportiva, que é distorcida por pressão de grupos econômicos que praticamente se autorregularam, em escancarado conflito de interesses.

Nessa aviação leve tudo é também feito para favorecer interesses cartelizados, pois ao longo de décadas vêm se sucedendo regras cada vez mais frouxas, resultando em um emaranhado normativo indecifrável, feito propositalmente assim para turvar a visão de conjunto do mais acurado analista, e mais ainda do simples consumidor.

Através do livro “ASAS DA MORTE”, a ABRAVAGEX busca informar os consumidores das ilegalidades na aviação leve esportiva (conhecida como aviação experimental) e/ou geral, objetivando a diminuição dos acidentes aéreos.


“NÃO COMBATEMOS A AVIAÇÃO ESPORTIVA, E NEM MESMO A INDÚSTRIA AERONÁUTICA LEVE BRASILEIRA.”

O que combatemos são os desvios regulatórios que permitem que um crime organizado por interesses econômicos possa ficar impune.

Quer saber mais? Baixe GRATUITAMENTE AQUI a versão online do livro “ASAS DA MORTE”, fruto de 4 anos de trabalho de investigadores, engenheiros, juristas e de pesquisas em dados oficiais e na legislação.